O capote e a escova progressiva

{ sexta-feira, 27 de agosto de 2010 }

Eis que certo dia saí ansiosa para o meu horário no salão. Seria minha primeira escova progressiva e eu, enfim, teria meus cabelos lisinhos, até que os desígnios de Afrodite me impediram: jeitosinha que sou, tropecei e capotei um lance inteiro escada abaixo do meu prédio.
Não tinha uma alma viva pra ouvir meus berros naquele sábado. E eu fiquei lá, estatelada, com meus cabelos ondulados, vendo meu pé torto e roxo e sentindo tonturas por conta do acidente [mais pelo susto do que pela dor, sou um pouco impressionável, confesso]. Liguei para casa, mas minha mãe estava tagarelando com minha irmã no telefone e só dava ocupado – e eu sofrendo!
Resolvi estufar o peito, encolher a perna e sair pulando num pé só os três andares acima que ainda me restavam para chegar ao meu destino e, nesse dia, mais do que nunca, refleti sobre a urgência de me mudar para um prédio com elevador. Assim que cheguei, toquei a campainha e ploft!, caí dura no chão igual a um saco de batatas. Maldita pressão baixa que teima em me nocautear!
Meu pai olhava no olho mágico e não abria a porta porque não via ninguém [lógico, eu estava deitada no chão, oras!] Quando tomava coragem pra tocar a campainha de novo, desmaiava na sequencia e meu pai, com muito juízo e medo da bandidagem, não abria. E ficamos assim por um bom tempo, até que conseguimos sincronizar as ações e, enfim, fui acudida.
Situações hilárias à parte, sei que tive uma torção brava e adiei a tão sonhada progressiva. Mas Afrodite, que devia gostar de meus cabelos volumosos, teve que me desculpar! Remarquei o salão e, desde então, há uns seis anos, nunca mais abri mão da técnica. E nem caí mais da escada.

3 palpites:

lu trevejo disse...

É, apartamento sem elevador é o ó do borogodó messsmo....
Adoro seus textos, Livia.
Eles são breves e nunca me cansam e mesmo quando são maiores, nunca são enjoativos.
Seria esse o tal "dom" pra escrever?
Bjos no seu coração

RenataBV disse...

ahuahauhuahuahuahahua suas estórias são engraçadads! Eu imagino a cena.
Só uma pergunta não quer calar: Não dava pra vc gritar "pai, socorro!!!" ???
rs

Lívia Komar disse...

Ai, Rê, eu tava meio muda e meu pai meio surdo. Aí já viu, né!? Hahahahaha!

Postar um comentário