José Luiz Tejon e a necessidade da superação

{ domingo, 26 de setembro de 2010 }
Na sexta-feira cobri um seminário sobre Gestão de Pessoas no setor sucroenergético. O evento começou às 14h e às 16h eu já estaria liberada, já que a próxima palestra teria um tema motivacional, não cabendo na pauta da qual fui incumbida. Mas eis que algo me chamou a atenção: José Luiz Tejon seria o palestrante e eu não poderia perder a chance de conhecê-lo.
Tejon é um gênio do marketing, considerado um dos mais importantes palestrantes sobre o assunto. Professor da FGV e ESPM, publicitário, jornalista, administrador e músico – da Dinossauros Rock Band, a qual pretendo um dia ter a chance de assistir –, ele é autor de 14 livros, sendo o último “A Grande Virada – 50 Regras de Ouro para Dar a Volta por Cima”, que fiquei louca para ler.
A conferência é ditada por suas experiências e conquistas, delineando em nossa mente uma rota simples para entendermos o presente e construirmos com solidez o nosso futuro, mesmo diante dos imprevistos e infortúnios que nos cercam a todo o momento.
O homem em questão é um exemplo vivo e palpável da superação. Aos quatro anos, o pequeno Tejon sofreu um acidente doméstico com cera e gasolina que o deixou com o rosto queimado. Uma vizinha conseguiu pular o muro de sua casa e conter as chamas. Da tragédia, tirou sua primeira lição: O peso de darmos chance ao acaso em qualquer situação da vida: “um segundo a menos, o fogo não teria me atingido. Um segundo a mais que a vizinha demorasse, eu poderia ter morrido”, enfatizou.
O cenário mais comum da infância e adolescência de Tejon foi o leito de um hospital, onde passou por mais de cem cirurgias plásticas. E foi nessa época de adaptação de sua nova realidade que o menino Tejon deu os primeiros passos para vencer as barreiras de sua limitação, com a ajuda da mãe adotiva.
Aos sete anos, depois de muito se esconder com medo e vergonha das pessoas, foi obrigado pela mãe a ajudá-la na feira. Percebendo que o filho era o centro das atenções com aquela queimadura agressiva, a mãe o mandou escolher as batatas com concentração, para que tirasse o foco do burburinho: – “a batata grande é para isso, a pequena para aquilo, a outra seu pai gosta descascada, preste atenção nas batatas!” Daí nasceu sua segunda lição: é preciso ter coragem e objetividade.
O garoto Tejon cresceu e seguiu em frente. Seu medo de viver deu lugar a um imenso desejo de desenvolver outros sentidos: estudou, aprimorou seus talentos e criatividade, tornando-se um homem que fez do trauma sua alavanca para o crescimento. Modelo de sucesso em todos os aspectos, Tejon mostra em suas conferências o quanto é importante fugirmos de nossas zonas de conforto. As dicas são agarrar as oportunidades, buscar prazeres na vida, driblar os preconceitos, fazer das adversidades uma porta de entrada para inúmeras conquistas e descobertas. Isso é viver intensamente.

Tejon: A importância do acaso
Acesse o blog do Tejon

2 palpites:

lu trevejo disse...

Criatura Linda
Vc é uma pessoa que domina a arte de escrever,
e o faz sem embromations, tão comuns em blogs espalhados mundo afora.
Já reparou como pessoas com histórico de grandes traumas, tem o dom da superação potencializado?
Bacana, muito bacana seu texto.
Sou sua fã, vc sabe , ne?
Precisamos combinar aquele jantarzinho a 4 .
Bjo na bunda !

Lívia Komar disse...

Lu, me sinto sempre muito feliz ao ler seus comentários. Obrigada, obrigada mesmo!!!
É só marcarmos. Vai ser um prazer. =)

Postar um comentário