Vem nimim, Murphy!

{ quarta-feira, 30 de março de 2011 }
No mundo parecem existir apenas duas leis que funcionam realmente: A Lei da Gravidade e a Lei de Murphy. A primeira delas nos mantém com os pés no chão. A segunda, às vezes, nos tira dele, num tombo cinematográfico na escada do teatro lotado, vamos supor. Não sendo motivo suficiente para um vexame, o tropeço ainda levanta seu vestido e deixa sua calcinha a mostra para o público pagante. Entendeu como o que é ruim ainda tem chances de piorar?

No meu currículo, e acredito que no de todos – assim espero! – não é só o pão quando cai com a manteiga pra baixo que define essa lei horrorosa incutida no Planeta Terra por algum filho da puta from hell pra nos mostrar que paciência na vida é fundamental. E que o nosso bom humor pode ser desafiado com alguma gracinha idiota do destino.

Por exemplo, é rotineiro eu sair atrasadíssima de casa, trancar a porta, correr escada abaixo e ouvir no meio do caminho minha mãe gritar alguma coisa abafada e ininteligível. Subo de novo, caço na bolsa o chaveiro como se fosse um tesouro, abro as benditas três trancas dignas do QG do agente 86 e, em 85% dos casos - dados tabulados ao longo dos anos, o que ela quer saber é se estou levando um agasalho caso esfrie no calor de 40 graus de Ribeirão Preto.

Outra coisa bem bacana que define o quanto essa lei impera sobre nosso cotidiano é entrar no banho e o interfone começar a gritar depois de um dia inteirinho sem uma única visita. E o pior, você sai molhada, ensaboada, com xampu no cabelo, alaga a residência e é um exu qualquer perguntando se eu sei de algum apartamento no prédio pra alugar. Pô, manô! Minha compreensão de Madre Tereza já ficou no box junto com o sabonete de glicerina!

Mas o que mais me impressionou há um tempinho aí e me levou a crer que o ser humano não vale o Mendorato cheio de bactérias que come no balcão do boteco, foi uma coitada – que não vou citar nomes - que conseguiu desfilar a boate inteira com o vestido preso na calcinha mostrando as porpa da bunda em close e flashs após sair do banheiro! A lei de Murphy a-do-ra vestidos, como vocês puderam perceber.

E é aquela coisa, né: "Se algo pode dar errado, dará errado da pior maneira, no pior momento e de modo a causar o maior estrago possível". Tamos aí!


VEM MURPHY!

10 palpites:

paulinhops disse...

Relax q essas acontecem nas melhores familias...rs

Gabriela Yamada disse...

hahahahahaahahaha

Tô aqui imaginando a cena na boate.

hahahahahahahaha

Dj Luciano Bravo disse...

haha tadinha da criatura da boate kkkkkkkkkkkkk

Shirley disse...

Hahahahahahahaha, lei de Murphy tem dias que ela fica o dia inteiro me atacando, mas essa cena do vestido deve ter sido cruel, adoroooooo seus textos, bjos...

CHRIS CAROLO disse...

Jä vi a cena da boate num Baile em Pontal da década de 80. O que demonstra que Murphy nasceu com o Big Bang.
Outra cena inesquecível: O ser sentado a mesa, arruma a camisa branca pra dentro da calça, de brinde parte da toalha da mesa, tb branca entra junto. Segundos depois levanta-se pra dançar e leva com ele copos, garrafas e pratos... acho que queria companhia na pista, né?? rsrsrs
BEIJOS

Pre disse...

Opa! Conheço essa história de calcinha presa em vertido hein... hahaha tbm nem cito nomes.
ah mas quem nunca pagou esses miquinhos né... normal!

bjs

Renata disse...

Eu já vi alguém pagar essa da calcinha na boate. E foi há um tempão, na Swingeres... Seria plágio? rs
Meu!!! mas que essa Lei impera, ah, ela impera!
Bjos

Matheus Farizatto disse...

Liviaaaaa!

Estou passando para dizer que indiquei seu blog para o "Selo Stylish Blogger Award".

Se quiser o blog reconhecido por esse selo, é só seguir as instruções no link abaixo, no post referente a indicação.

Espero que se divirta!
Bjooooo.

Link
http://virandojornalista.blogspot.com/2011/03/publicidade-cabeluda.html

railer disse...

uma das leis de murphy é: "um corpo molhado faz tocar o telefone". não sabia? hehe

Patrícia disse...

Haha!
Comigo é assim... ninguém nunca me liga, quando eu esqueço o cel, todo mundo resolve me ligar!
Agora não me lembro de um causo mais interessante, mas eu costumo dizer que eu sou casada com Murphy!

Ah, gostei de ver que ganhou o sapato hehehe

Beijo

Postar um comentário