O [des]gosto de uma viagem

{ quarta-feira, 20 de abril de 2011 }

Feriado chegando e muita gente está aí, matutando o que fazer pra sumir da rotina. Expert em viagens tenebrosas, dou aqui mais duas dicas do que não fazer [acreditem, em um só passeio]:

Viajar de ônibus quando o trajeto dura próximo de 24 horas.

Aventura é aventura, então arrisquei em 2006 a fazer uma viagem de Ribeirão Preto para Cuiabá num ônibus capenga, onde a única coisa que funcionava super bem era o ar-condicionado. Passei um frio glacial e, para melhorar ainda mais a jornada, o maldito resolveu gotejar água gelada na minha cabeça – só na minha. Dormi encolhida e acordei praticamente no colo do passageiro ao lado que, digamos, ficou bastante surpreso. Fora esse incidente bastante constrangedor, o pardieiro ambulante quebrou duas vezes, teve um pneu furado, fedia Cheetos Requeijão e parecia transportar uma creche que vivia para chorar sob os olhares de entreguei-pra-Deus-vocês-todos-que-se-danem das mães.

Viajar de carro quando o trajeto dura próximo de 24 horas

Seguindo o clima de emoção, a volta de Cuiabá foi de carro. Eu, meu cunhado, minha irmã, cinco malas, um gato vira-lata e três persas. Para apimentar a história, devo ressaltar que sou alérgica a felinos e voltei com pereba no corpo todo e o olho mais vermelho do que o da Janis Joplin no Woodstock. Dirigindo na estrada de Goiás, me enchi dos buracos e dos cones de desvio e passei o carro para o cunhadão a 10 metros da Polícia Rodoviária que resolveu, óbvio nos parar. Suspeitaram que estávamos carregando um defunto no porta-malas por conta do desespero dos cães pastores com o cheiro da gataria – revista digna da cena de Little Miss Sunshine. Paramos para dormir num breu, com o ar ligado e a bateria pifou. Minha força descomunal de borboleta colaborou para empurrar o Fox lotado. De madrugada. Embaixo de chuva.

Passaporte pro horror, a gente vê por aqui. VEM NÃO, GENTCHY!

1 palpites:

Shirley disse...

KKKKKKKKKKKK também já tive umas experiências tenebrosas estilos essas, hahaha.

Postar um comentário