Dez anos sem você

{ quinta-feira, 19 de maio de 2011 }
Quando eu nasci ele tinha 15 anos. Era um menino doce e brincalhão, a alegria das reuniões de família. Se emocionou e chegou a chorar de felicidade quando soube que naquele 25 de março de 1980 ganhara uma irmãzinha, a quarta filha da trupe e a caçulinha do quarteto.
Aos três anos sofri o primeiro baque da minha vida. Meu Dado, o Paulo, sofreu um grave acidente de moto e quem diz que criança não percebe as coisas, não sabe de nada. Lembro muito bem dos 40 dias no hospital, dos 40 dias sem ele em casa, dos 40 dias em que minha família me preparou para o que eu veria quando ele voltasse pra gente. Lembro de nunca ter ido tanto na Cidade da Criança com minha irmã, que me compensava com passeios pois não queria que eu sofresse o que o resto da família estava sofrendo – mas eu sabia muito bem que tinha alguma coisa muito errada naquilo tudo, desde a noite do acidente. Lembro do meu irmão sorridente, de cabeça enfaixada, jogando pela janela lá do alto a ponteira de alguma cadeira do hospital pra eu guardar, porque eu tinha mandado um bichinho meu pra fazer companhia a ele, e ele queria me dar algo em troca.
No dia de seu retorno, fui recebê-lo na porta, mas não foi o fato dele estar sem a mão que me afetou. Assim que o vi subir as escadas, me escondi embaixo da mesa com medo de sua careca. Ele botou um boné e continuamos a vida, sem grandes impactos. Pude então abraçá-lo, cheia de saudade do meu irmão.
E, o que surpreende é que, mesmo após o acidente, sua alegria de viver também não foi afetada. Fez muitas palhaçadas com o fato de não ter mais a mão. Nunca o vi resmungar. Reaprendeu a viver rápido com a mutilação – era canhoto, perdeu a mão esquerda e o polegar da direita, um herói. Deu muita risada com os olhares incrédulos de crianças que ao perceberem a prótese, perguntavam se sua mão era de boneco. E ele respondia que sim, sempre com seu sorriso malaco, o mais lindo e espontâneo que conheci. Continuou um gato e vaidoso e sempre chamou a atenção da mulherada.
Meu irmão foi o que mais deixou minha mãe louca. Com poucos meses, descobriu que era fácil sair do berço dando uma cambalhota e se atirando de cabeça no chão, ao contrário do gêmeo, que apenas observava tudo e dava risada. Atravessou janela de vidro, subiu no telhado com quatro anos, caiu da porta do ônibus em movimento. Com dois anos, respondeu à rainha das carolas da igreja que seu nome era Paulo Bunda, já que ela não conseguiu entender depois de várias tentativas que era Paulo Roberto. Sempre precoce em dar trabalho, aos 19 anos engravidou a namorada, pouco mais de um ano depois do acidente. Com 20 anos estava casado, com uma filha. Depois vieram mais dois meninos e suas crias eram suas paixões na vida.
Na noite de sábado de 19 de maio de 2001, fazia frio e eu estava de plantão, acompanhando um acidente numa estrada e pensando o quanto a família daquela vítima iria sofrer quando soubesse de sua morte. Mal sabia eu que talvez naquele mesmo instante, eu também estava perdendo uma pessoa amada.
E, mais uma vez, ele foi precoce; infelizmente sua missão estava cumprida por aqui. O Paulo sofreu um infarto fulminante, sem explicações, com 36 anos. Nunca vou esquecer a sensação de vazio que senti naquela noite, quando recebi a ligação para largar tudo e voltar pra casa. Tudo isso, misturado à vontade de ser forte para apoiar meus pais. Eu sabia que o Paulo continuava vivo, porém em um plano tão distante de nós que já imaginava que a saudade não teria fim.
Hoje, faz 10 anos que ele foi embora. Além de seus filhos, deixou com a gente suas histórias hilárias, sua força descomunal em continuar lutando mesmo com as cacetadas da vida, seu caráter inabalável, sua alegria que nunca deixou de transparecer em suas gargalhadas gostosas. Ele foi um exemplo de determinação e superação e quando me lembro do ‘Paulão, o Irmão’, não sinto mais a mesma dor de quando ele se foi. O tempo ensina e do Paulo me restou uma saudade imensa e um orgulho sem tamanho de lá no Alto, terem me dado a oportunidade de ser sua irmã nessa vida.



[Paulo, aquele dia que voei de balão, sabe? Estava com você no pensamento e no coração, realizando seu sonho...]

25 palpites:

Shirley disse...

Que lindooo! me emocionei eu sou espírita e acredito em outras vidas e que a morte é só uma viagem.
Nas nossas vidas encontramos com várias pessoas e temos as vezes a benção de termos irmãos,pais, amigos, parentes maravilhosos.
E quando eles se vão acredito que lá se foi uma etapa cumprida, mas sempre vamos reencontrar, no tempo, no espaço, na vida e os sentimentos e momentos que vivemos ficaram pra sempre marcado na memória.
Tenho certeza que seu irmão estava no balão junto com você, não em matéria, mas em espirito e sentimentos...

Fabi M. disse...

Chorei... Lindo Lívia!

Viviane Pettersen disse...

Lindo! Não tem como não chorar..

Dan disse...

nossa livinha! que lindo!
pessoas especiais tem passagem curta por aqui. geralmente para nos ensinar algo. Seu irmao deve ter ensinado muita gente como é ser feliz por apenas viver!
sorte a sua ter compartilhado sua vida com ele!
fiquei emocionado aqui!
grande beijo!

Netinho Eneias Negralha disse...

Não acredito em quase nada do que ouço sobre as coisas que acontecem com a gente após a morte. Mas...acredito muito que o que ele fez em vida... foi importante para mante-lo com você para sempre... Se ele ainda pode te ver.. eu nao sei... mas acredito que o "ORGULHO" que você tem por ter tido ele na sua vida... valeu a passagem dele por essa fase...

Luiza Pellicani disse...

Caraca!!!

Não sei o que faria sem meus irmão!
Eles são todos únicos e assim serão forever!

Fabiola Medeiros disse...

... :^(

Mara disse...

Livia, fácil identificar o DNA quando vc define o sorriso e a forma leve que ele tinha de se desenhar na vida! Fácil imaginá-lo porque conhecemos vc! Facil entender porque o sente tão próximo...mais um pouvo e eu ergueria um brinde gritando: Libiaaaaa!
Me fez lembrar a morte recente de minha irmã e essa lembrança me impediu de chorar com seu texto porque, ambos, ela e seu irmão com essa história de vida iriam com certeza fazer alguma piada dessa nossa lágrima sem sentido! Deus leva sempre precocemente aqueles que nos emprestou diretamente. Ocuparam cargos de nomeação...confiança e tempo pra deixarvo cargo. Vivem o suficiente apenas para nos ensinar que a ausencia deles será só mais um ato missionario!
Amo seu jeito de amar!

Mara Cabral

Mayara Branco disse...

Muito lindo o texto, Gor...
Chorei muito por aqui!
Eu que tive pouco contato com o tio Paulo, sempre o admirei muito e sempre tive um carinho imenso por ele!
Gostaria de poder ter convivido mais com essa figurinha rara.

Renata disse...

Paulo... ah, saudades! Eu nem lembrava da mão, sabia? Mas lembrava da mulherada enciumada dele, a gente na piscina da barão...
Paulo era engraçado, risonho... saudades.

ORAÇÃO PARA QUEM PERDEU UM ENTE QUERIDO
Santo Agostinho

Eu somente passei para o outro lado do caminho.
Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.
Me dêem o nome que vocês sempre me deram
Falem comigo como vocês sempre fizeram.

Vocês continuaram vivendo no mundo das criaturas.
Eu estou vivendo no mundo do Criador.
Não utilizem um tom solene ou triste,
Continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos;
Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado
Como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo;
Sem nenhum traço de sombra ou tristeza
A vida significa tudo o que ela sempre significou
O fio não foi cortado.
Por que eu estaria fora de seus pensamentos
agora que estou fora de suas vidas?

Eu não estou longe,
Apenas estou do outro lado do caminho...
Você que ai ficou siga em frente...
A vida continua linda e bela, como sempre foi.

Luciana Stabile disse...

Consegui percebi sua emoção no texto, seu carinho, sua cumplicidade.
E não há como não se emocionar.

Ele devia ser uma graça mesmo, igual vc.
Mas ele continua vivo, dentro do seu coração e em um plano maior. A etapa terrestre dele foi cumprida, mas o amor continua sempre presente.

Um beijo, minha querida!

MatheusCamerro disse...

Parabéns pelo texto. Mesmo não te conhecendo, tão pouco ao seu irmão, este post que conheci pelo Twitter é muito tocante.
As palavras são poucas nestes momentos, né? Mas você soube reunir as melhores e passar um pouco dos vários anos que viveu ao lado de seu irmão.

Pre disse...

eu não tenho palavras, só lágrimas...

Lady disse...

Emocionante!

Anônimo disse...

Mesmo sabendo que ele esta bem, muito melhor do que estava por aqui, a saudade e imensa e a falta que ele faz em nossas vidas e extremamente dolorosa. Que sua vida espiritual seja ilumunada por Jesus e Maria Santissima, que ele esteja sempre cercado por Anjos de Luz e que Deus o abençoe em sua jornada evolutiva. Beijos meu irmão e parabens minha irmã pelo texto tão lindo!

Grace Kelly Cano disse...

Essas palavras ultrapassaram esse plano...parece lida com a alma, entendida com o coração.
Lindo texto e mais lindo ainda são esses sentimentos e os ensinamentos que ficaram.

Um bjo

Anônimo disse...

Um texto muito lindo, para uma pessoa que era sim, iluminada. Lendo isso, lembrei-me de detalhes do Paulo, que realmente ria de sua própria mão de boneco, uma prótese que ele encaixava a caneta e conseguia escrever, mas sempre com sorrisos e nunca vi ou ouvi ele reclamar que tinha sido mutilado e sim estava feliz porque estava vivo. Parabéns pelo texto, realmente muito lindo e cheio de emoção, acho que vou ficar emocionado o dia todo. Beijo pra vc e bom fim de semana
Archimedes Jr

Hélia Araujo disse...

Lívia, me emocionei.
Só quem tem irmão sabe o que essa figura representa nas nossas vidas. Tenho dois, e pensar em viver sem ter convivido com eles me faz ter a certeza que não seria o que sou hoje.
Onde ele estiver, com certeza, tb sente mto orgulho de ter uma irmã como vc.
Bjos

Anônimo disse...

Livinha divertida, sensível e com a habilidade de nos fazer sentir o que está sentindo só com palavras.
Linda e emocionante homenagem!
Daniel

Anônimo disse...

Não conheci esse irmão que foi tão admirado nesta vida, mas, com este maravilhoso texto escrito com tanta sensibilidade e com o coração, pude saber o quanto ele fez feliz a todos que com ele conviveram.
Acredito, sinceramente, que tenha cumprido muito bem sua missão no curto espaço de tempo que passou nesta terra, onde tanto amor espalhou e tanta saudade deixou.
Mara Guaranys

lu trevejo disse...

ESSE MEU RÍMEL DEFINITIVAMENTE NAOO PRESTA. ALÉM DE BORRAR, AINDA ARDE OS OLHOS.
VC É UMA PESTE...

Anônimo disse...

que lindo livia...nossa nao contive minhas lagrimas, ta explicado pq vc e tao querida especial
beijos
mila nacinben

Anônimo disse...

Olha, Eu nem e conheço, e encontrei seu blog meio que no susto! Devo confessar que me emocionei, principalmente no último comnetário do balão!
Parabéns! Tb amo mto meu irmão....

Thamy disse...

Que texto maravilhoso, tie! Me emocionei. Você sabe que não tive muito contato com meu tio Paulo, mas do pouco que convivemos e do muito que ouvi falar dele sei que é uma pessoa maravilhosa. <3

Carol Viana disse...

Líviaaaaa... menina...
tô engasgada.
Que pessoa maravilhosa. Eu tenho medo de mutilação. Tenho problemas com isso, me agonia, nossa consigo nem pensar.
A forma q seu irmão lidou com isso foi linda e especial.. e a sua de contar a história mais ainda.

Postar um comentário