Meu pedido de casamento

{ terça-feira, 26 de julho de 2011 }
Quando fui acordada no sábado, com um café gostoso e carinhos do meu até então namorado, não imaginava que teria o dia mais especial e surpreendente da minha vida.


Trabalhei até as 13h e corri feito louca pra me encontrar com a carreata de amigos que me aguardava na saída de Ribeirão. O destino, Tambaú, onde o Gustavo jogaria pelos Challengers, time de futebol americano aqui da cidade, que disputa o Campeonato Brasileiro pelo Torneio TouchDown.


Chegamos a tempo e nos misturamos à torcida, que estava lotada e linda como sempre. É uma energia absurda ver a galera vibrar em cada passe, em cada jarda alcançada, em cada tackle da defesa. Mas, para mim, o TouchDown mais bonito, sem dúvida, aconteceu durante o intervalo, com direito a um extra point lindo e decisivo.

Posto aqui o vídeo do meu pedido de casamento que virou notícia de tão fofo, de tão emocionante. E, para mim, esse momento ímpar ficará congelado para sempre na memória, com cada detalhe, cada palavra e cada toque vivos pra sempre no coração.



E, mais uma vez, o meu loiro fez de tudo para tornar mais um momento nosso inesquecível, histórico, que será contado geração após geração, em nome do amor que sentimos um pelo outro.

Agora, me diz! Que mulher nesse mundo não sonha com uma loucura de amor como essa, do fundo da alma e diante de tantas testemunhas? Que mulher não se sentiria a mais especial do planeta? O engraçado é que ao lado do Gustavo, nesses quase três meses, eu consigo experimentar isso desde nosso primeiro beijo, em cada palavra sua no meu ouvido, em cada abraço de saudade por termos passado apenas algumas horas separados, em cada toque, em cada risada, em cada olhar que trocamos.


Obrigada, meu noivo. Te amo tanto, mas tanto, que se torna impossível medir, descrever ou narrar. Você é o amor da minha vida. Obrigada por estar na minha vida e me fazer feliz todos os dias, todas as horas, todos os minutos. Tudo o que eu quero é te fazer feliz também e ver nos seus olhos a alegria que você sente hoje, pra sempre.


E lógico, obrigada também aos amigos que assistiram nossa história de filme e vibraram, se emocionaram e sorriram conosco ao vivo: sogrinha, Mara, Luciano, Victor, Dessinha, Elis, sobrinhe Thamy, Letícia, Luiz Fernando, minha princesa-filhota Duda, família querida Challengers, jogadores, esposas, namoradas, Babi e toda torcida maravilhosa e também a equipe ABC Corsários. Vocês ajudaram a fazer dessa surpresa um momento que será eterno.


Um ano

{ terça-feira, 12 de julho de 2011 }


Um ano se passou desde que criei este blog romântico e cheio de desabafos com palavrões cabeludos (sim, porque todo mundo tem o direito de usar meia-pata rosa, sonhar acordada e, ao mesmo tempo, mandar tomar no cu quando se topa com o dedinho na quina do criado-mudo). O bacana é que ele, que nasceu sem pretensões de se tornar lido por tanta gente, acabou ganhando aí um destaque que não imaginava e o reconhecimento de um trabalho, lógico, é legal pra caramba.
Contando com um currículo vasto em gafes e tropeços, meu objetivo foi compartilhar as aventuras e desventuras da vida, como, por exemplo, num dos primeiros jantares com a família do namorado, mês passado, apoiar o braço na borda do prato e fazê-lo voar cheio de pizza no meu colo, engordurando minha blusa e as primeiras impressões sobre minha pessoa. Vamos combinar que é bem menos sofrível participar das risadas do que apenas ser motivo delas.
E aí que quando delimitamos uma data para comemorarmos, seja ela qual for, é impossível deixarmos de fazer um paralelo sobre as transformações que ocorreram nesse espaço de tempo. No meu caso, esses 12 meses foram tão valiosos que merecem, no mínimo, um curta-metragem naquele filminho sobre nossa vida que passa quando estamos indo pro saco.
Novos e importantes amigos amados para compartilhar a jornada junto com os antigos, novos ideais onde o único alvo é a felicidade, novos desafios no trabalho para tornar a vida ainda mais gostosa. Novos lugares visitados, novas músicas dançadas, nova culinária saboreada, novos mares navegados...
Em 12 meses, muita coisa mudou, como muda todo o tempo. Portas se fecharam, mas outras maiores e que levavam a um destino muito mais bonito se abriram, me arremessando com um empurrão pra dentro como que me mostrando que existe uma força maior nos protegendo em cada ato. É só confiar.
Chorei, ri. Chorei de rir. Repiquei o cabelo, aprendi a gostar de futebol americano, fiz meu primeiro cruzeiro, ganhei um fungar excêntrico ao dar muita risada, me apeguei em mojitos cubanos, descobri que o amor existe e ele é bonito porque traz serenidade e frio na barriga ao mesmo tempo. E muitas águas ainda vão rolar... Calma, eu conto em breve (hoho)!
Em um ano, este Calma! que engatinha na blogosfera, atraiu leitores que se identificam com minhas histórias porque a vida da gente é assim mesmo: um misto de contentamento, tristeza, entusiasmo, monotonia, trabalho, fatos divertidos e outros desastrosos, desabafos, erros e acertos. E o barco tem que ser tocado com sorrisos, sabendo que se ontem foi um lixo, hoje, quem sabe, o dia pode vir a ser o mais especial da nossa caminhada.


Obrigada, queridos! Vamo que vamo!