Coração de mãe

{ quinta-feira, 22 de setembro de 2011 }


Segunda-feira meu coração chorou, ficou partido, dolorido, ao mesmo tempo que o coração da minha mãe dava sinais de que havia algo errado. Dizem – e eu tenho certeza – que coração de mãe é o maior do mundo e quando ele se machuca, o nosso se fere junto.
Guerreira, dona Cidoca está conseguindo vencer bravamente o problema. No hospital, brinca, sorri e até finge descaradamente não ter medo de algum exame pra continuar exalando sua força interior característica das mulheres de fibra, que já passaram por poucas e boas nessa vida.
Mas meu coração ainda sofre ao vê-la longe, sem ninguém das inúmeras pessoas que a amam sendo autorizadas a estarem por perto. Meu coração se entristece ao ver minha querida, que raramente pega sequer um resfriado, tendo o seu coração observado 24 horas por dia num hospital. Meu coração acorda assustado de madrugada quando pensa nela. Meu coração mentaliza as batidas do seu coração, pedindo, quase obrigando, na verdade, que ele pulse direitinho. Coisa de filha apaixonada.
Mas meu coração se abranda, todo esperançoso, ao vê-la nos horários de visita. E a força que eu tento passar naquele “tá tudo bem e vai ficar ainda melhor” fica pequena diante da força que ela passa pra mim, apenas com suas gargalhadas sobre seus sonhos esquisitos que demonstram que sim, “tá tudo bem mesmo e vai ficar ainda melhor”. E eu olho para ela e rezo, grata a Deus pela benção de tê-la em minha vida, com seu coração se recuperando, melhorando a cada dia e recebendo elogios dos médicos, o que enche meu coração de orgulho.
Meu coração ainda está angustiado, mas agradecido. Ele agradece a Deus por ter preservado essa riqueza de amor infinito na minha vida; ele agradece aos amigos e amigas, verdadeiros irmãos, que se mobilizaram naquela segunda-feira para que o coração de minha mãe pudesse receber o melhor atendimento possível.
Ele agradece às ligações, às mensagens de amigos, de parentes próximos e distantes, de amigos de amigos. A preocupação sincera e a solidariedade de quem se põe à disposição, de quem me dá carona quando não estou legal pra dirigir, de quem me traz comida em casa e me força a comer. De quem aceita ligações tarde da noite para conversar. De quem liga antes das 8h da manhã querendo saber notícias. De quem liga no hospital para saber novidades dela só para me tranquilizar. De quem me acompanha até o hospital e segura na minha mão.
Agradece as orações de quem a conhece e também de quem não a conhece, mas sabe a importância de uma mãe na vida de uma pessoa. Ele agradece pela minha família linda e unida e por eu ter um noivo maravilhoso, meu anjo, meu porto seguro, que me ampara e arranca sorrisos da forma mais doce do mundo, até nas horas difíceis.
Apesar de estar aqui grudado no meu peito, acreditem, meu coração esses dias, mais do que nunca, está lá naquele hospital com ela. E também ficará ao lado do seu coração até o resto de nossas vidas – que sei, tenho certeza, demorará muito para chegar.

Imagem: daqui


8 palpites:

Fabi M. disse...

Que texto lindo Livia.
Vai dar tudo certo! Estou rezando por vcs. Só de receber seu amor, certamente ela se sente mais forte e animada para a luta! Que Deus proteja vcs. Beijos

Luiza Pellicani disse...

Livis!

Que diga para sua mamy´s que estou em Araraquara, mas mandando energias positivas para ela ficar bem logo!
Saiba que aceito ligações de madrugada e que se precisar pode contar comigo sempre!

Beijossss

Regy disse...

Lívia, apesar de não conhecê-la pessoalmente, você me parece uma pessoa de fibra, muito forte. Eu desejo, mesmo, que sua mãe se recupere logo e o seu coraçãozinho fique em paz. Imagino como deve ser difícil ter que ser forte, porque nesses momentos a vontade é de desabar né. Mas tudo isso vai passar e logo ela estará em casa, firme e forte.
Que Deus abençoe vocês duas.
Estou aqui na torcida pela recuperação dela.

Um beijo e um abraço apertado.

Re (@rezinha_ca)

Shirley disse...

Livia, já passei por uma situação parecida, há exatamente 5 anos atrás minha mãe teve um princípio de infarto e ficou internada na CTI e os sentimentos são exatamente todos esses que você passou no texto.
Com certeza, os corações de mãe e filha são elos que por mais longe que estejam fisicamentem estão sempre juntos, chorando, rindo, sofrendo.
E temos sim que agradecermos sempre a Deus por ter nos dado de presente mães tão maravilhosas, como você mesma disse mulheres de fibras.
Força e muita luz com paz no coração, pra você, pra ela e toda sua família,tenho certeza vão passar por essa juntos, logo você irá abraçá-la e o amor cada vez maior...sempre, sempre...Um grande beijo!

Paulo Rogério Rocco disse...

Sei que seu coração bateria pelo dela se pudesse. E é por causa desta afinação que o coração dela se fortalecerá, em uma linda sinfonia regida pelo seu amor de todos em sua família. Pode acreditar que o Padre Donizetti está junto de vocês.

alexia disse...

Já já a Cidoca tá em casa amiga,força e fé!!! bjsss

Lívia Komar disse...

Queridos, obrigada pelas orações e vibrações positivas. Foi uma provação muito grande, tive medo por várias vezes, mas Deus está sendo misericordioso e hoje ela volta pra casa. Agora, é vida nova, mais intensa, sem dúvida.

Renata disse...

Livia: Eu não sabia que sua mãe esteve doente... gozado que passei perto da loja da Cris esses dias e me falei "preciso dar uma passda lá".
Como ela está? Melhorou? Saiu?
Espero que ela esteja bem. Hoje temos evangelho no Lar, vou rezar por ela.
E, precisando, me grite! A Cris tem todos os meus telefones... Beijão, força.

Postar um comentário