Manual de boas maneiras no coletivo

{ terça-feira, 4 de outubro de 2011 }


Segunda-feira fiz mais uma de minhas viagens a trabalho para São Paulo e o veículo escolhido desta vez foi o famoso busão. Com a experiência de nove horas completas dentro do ônibus em um único dia, somando ida e volta, e a falta de tolerância provocada ontem, ainda à flor da pele, adquiri o direito de criar o manual de bons costumes para trajetos em coletivos. Devo ressaltar que fiz isso principalmente para preservar as artérias do meu coraçãozinho, que anda dando sinais de piripaque iminente em situações aflitivas.


Leia com atenção.


- Se você ronca, mantenha-se acordado, em nome da sua dignidade e do seu bem-estar espiritual, já que o restante do ônibus vai te rogar praga o percurso inteiro e nunca se sabe o que um quebranto coletivo poderá te causar.



- Som alto, só com fones de ouvido. Ninguém quer saber do seu gosto musical, seja ele por Tom Jobim, Luan Santana ou o funk que te manda arrancar a calcinha.



- Em hipótese alguma, adentre o coletivo com salgadinhos de saquinho com cheiro de pé.



- Jamais leve biscoito de polvilho. Não tem cheiro de chulé, mas barulho de mastigação é bastante inconveniente.




- Se estiver com tosse, vá ao médico e não viajar.



- Se for viajar com criança pequena, leve mamadeira, chupeta ou qualquer coisa que a silencie durante o trajeto, principalmente durante a noite.



- Se estiver resfriado, cuide para que o lenço de papel com coriza não saia voando no ônibus. Leve sempre um saco plástico para guardar objetos que contenham secreções.



- Não tire o sapato, a não ser que tenha certeza que o Lysol esteja em dia.



- Evite feijão e couve-flor um dia antes. O resultado no balançar da estrada pode ser desastroso - principalmente para os outros passageiros que não sofrem de gases e também não têm o esfíncter solto.



- Leve uma blusa de frio como se estivesse embarcando para a Rússia, sem vergonha, mesmo que lá fora faça um calor de 43º. Eu tenho cer-te-za que o pessoal das empresas faz apostas sobre qual veículo vai deixar mais pessoas com pneumonia.



- Não passe o trajeto inteiro paquerando a mina no celular em voz alta. As pessoas querem dormir. Porém, se for inevitável, ligue o aparelho no viva-voz, assim, todos poderão interagir.




Com essas dicas preciosas, a viagem ficará mais suportável para todos. Porém, se tiver grana na conta bancária e quiser preservar sua paciência, vá de carro. Ou de avião.

5 palpites:

Shirley disse...

Hahahahahaha estou lembrando uma vez que eu fui para São Paulo também de ônibus e uma menina decidiu ouvir Luan Santana sem o fone de ouvido, até que todos apelaram e ela desligou o simpático rádinho, mas é de impressionar como pessoas não tem o mínimo de noção, espero que todos leiam as suas dicas, bjocas...

Dan disse...

é foda né? bumba é sempre bumba. ehehehe
sdd de vc!
bj

Fabi M. disse...

hahahaha boa!

Renata disse...

Ai menina... nem me fale! Eu desisto de ir pra SP só de lembrar essa saga! Onde já se viu uma viagem de 309 km demorar quase 5 horas e com todo esse atropelo?
Socorro!!!

Flor Martha disse...

Muito engraçada esta sua postagem. Realmente educar uma criança é mais do que apenas controlá-la e isso requer todo um trabalho de conscientização e educação que, se realizados efetivamente, tornam mais fácil esse "controlar" uma criança.

E do mesmo modo o adulto bem educado saberá respeitar os demais em mil pequenos detalhes de consideração e respeito que não precisariam ser listados normativamente num manual de boas maneiras para serem observados na vida cotidiana, seja no ônibus ou em qualquer outro lugar.

Por isso é preciso incentivar a educar de uma forma integral, que inclua valores, e formação que modele as atitudes. Tenho um blog nesse sentido com algumas postagens sobre boas maneiras, chama-se exatamente Vida em Sociedade.

Coloquei lá o link para esta sua postagem que está muito engraçada. Há coisas difíceis de dizer que só com o tom engraçado se tornam mais compreensíveis.

Você sabe o que nos torna Cafonas?

Abraços e continue escrevendo sobre este tema.

Postar um comentário