Corte, costura e vida radical

{ quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 }

Ok, podem me recriminar. Mal comecei as aulas de corte e costura e já precisei “colar” na primeira avaliação. Pensem bem: como alguém consegue ter habilidade pra fazer com que três linhas se encontrem numa mesma costura assim, de primeira, sem nunca ter pregado um botão na vida?

Pra começo de conversa, já estou frequentando o curso como se fosse pra guerra e isso me limita um pouco. Quem falou que futebol americano é uma atividade perigosa não sabe o risco que estou correndo: não posso ir de cabelo solto, pois a máquina pode me escalpelar. Nada de penduricalhos que podem me deixar presa e agonizante na agulha. Sapato aberto nem pensar visto que um alfinete ou tesoura podem fazer meu pé sangrar até a morte. Meu uniforme: jaleco, óculos protetores, dedal e muita coragem.

Quarta-feira foi minha segunda-aula do curso, aquela de apresentação dos equipamentos e, eu e a Mayara, minha sobrinha e companheira de classe, caímos com a máquina que afirmam ser a mais fácil, mais usada para tecidos retos, como algodão e jeans. Mesmo assim, me senti como que atravessando duas montanhas por meio de uma corda bamba e, a qualquer deslize, ao invés de me esborrachar, receberia um zero da professora, o que seria bem humilhante.

O primeiro carretel, você faz um caminho de bêbado com a linha: passa no buraco de trás pra frente, de novo, de trás pra frente, de cima pra baixo, repete a operação, prende na roldana, passa pelo pininho, prende no ganchinho, desce em outro gancho, sobre pro outro, desce pra outro pininho, prende na alça e, enfim, passa pelo buraquinho minúsculo da agulha. Acho que é isso e até aí, tudo bem: sempre fui rápida em aprender e decorar as coisas - mesmo porque, desde sempre, gosto de acabar a tarefinha logo pra poder conversar mais.

O segundo carretel, da costura de baixo, é mais simples, apenas uns quatro procedimentos. O terceiro é que o bicho pega: usar a joelheira para subir a agulha, colocar o carretel no sentido horário com a alça virada pra mim e a linha pendurada por baixo da máquina. Juro que de forma mágica, depois que numa total ação de coordenação motora usando minha mão como direção e meu pé como embreagem, as duas linhas deveriam se encontrar lindamente.

Não é possível que eu não consegui fazer isso. Uma, duas, três vezes... nada! As linhas estavam inimigas, de vendeta, tipo Israel e Palestina na Faixa de Gaza. Me apeguei na esperança de que a máquina estivesse com defeito e pedi ajuda à colega já costureira que de prima fez o último procedimento num tapa e pude mostrar à professora, enfim e cansada, a operação finalizada para poder ir embora pra casa totalmente frustrada. Juro que nem no gerenciamento de crise mais difícil da minha carreira me senti tão intimidada como naquela hora.

Me senti culpada. E descoordenada. Fora isso, estou adorando o curso e sei que loguinho comprarei minhas máquinas e farei das linhas e agulhas mais um hobby divertido – e radical. Vou mantendo vocês informados sobre os próximos acontecimentos. Enquanto isso, acho que vou utilizar meu horário de almoço na caça de uns bons tutoriais para não fazer feio na próxima aula. Afinal, fui incumbida pelo meu noivo de costurar seus próximos ternos e ninguém vai querer ver o Gustavo de calça pula-brejo nem de camisa com o bolso na costela. Né?

4 palpites:

L Barros disse...

kkk...mto bom!onde vc tá fazendo esse curso?

Luiz Fernando Mathias Gomes disse...

kkkkkkk demais

mas ai, perder uma batalha não significa que perdeu a guerra, avante soldado : P

Gustavo Barusco disse...

Você é meu orgulho em tudo que faz.
Parabéns :)

Falcão disse...

É amiga, você vai descobrir que a arte de costurar é muito mais do que passar a linha. Trata-se de um momento mágico em que se trabalha a paciência, a humildade, a perseverança tudo isso em busca da sua realização. Quando você ver seu primeiro trabalho pronto, ai a felicidade está completa! E pra não ser diferente de tudo na vida a magia da MATEMÁTICA, aquela que ninguém quer aprender também faz parte deste mundo e sinceramente pra mim é ela que faz essa mágica se tornar realidade! Bj gde e muito sucesso nos novos modelitos!

Postar um comentário