Comunicação

{ domingo, 2 de fevereiro de 2014 }
- Gostaria de ter você mais próximo.
- Mas estou aqui, a 2 metros, no sofá.
- Próximo de corpo e alma, não me venha com ironia.
- Você está me prendendo, me sinto sufocado.
- Faz dias que não para em casa.
- Hoje estou em casa. Contente-se. Fiz o que me pediu.
- Essa obrigação em estar comigo me mata.
- Oi? Desculpa, tava lendo um negócio aqui.
- Você anda distante. Eu preciso de você.
- Eu preciso comer, estou com fome.
- Então por que não conversamos antes?
- Não tenho paciência.
- Não fala desse jeito. Me magoa.
- To cansado.
- Do que?
- Melhor terminar tudo.
- Mas mal começamos.
- To decidido.
- Ok, você tem razão, não temos mais jeito mesmo.
- Por que não temos mais jeito?
- Por que agora eu decidi.
- Mas mal começamos.
- Melhor terminar tudo.                                             
- Não fala desse jeito. Me magoa.
- Não tenho mais paciência.
- Vamos sair pra almoçar e daí conversamos.    
- To sem fome.
- Você é muito caseira, ta vendo?
- Ontem almoçamos com seu chefe, anteontem, jantamos com seus pais.
- Mas fez por obrigação.
- Oi? A panela de pressão não me deixa ouvir.
- Quero ser feliz com você. Não me venha com ironia.
- Sem ironias. Fiz a rabada que você me pediu ontem. Daqui a pouco pode se servir.
- Gostaria de ter você mais próxima.
- Então levanta do sofá e vem lavar a salada.



0 palpites:

Postar um comentário